linha cinza

linha cinza

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Em 2018 piora a situação dos judeus na Europa


Por Sheila Sacks

Relatório divulgado em 10 de dezembro, em Bruxelas, pela Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA, na sigla em inglês) revela que mais de um terço dos judeus entrevistados em 12 países evitam eventos e locais judaicos por medo em relação a sua própria segurança. Esse também é o motivo pelo qual um número similar de judeus, nos últimos cinco anos, considerou a hipótese de emigrar.

A pesquisa consultou 16.395 judeus que residem em países que abrigam 96% das comunidades judaicas e expôs a sensação de um mal estar generalizado entre os judeus frente ao aumento de ações violentas de antissemitismo, muitas vezes estimuladas por comentários antissemitas de políticos que alimentam esse clima de ódio e de impunidade.

De acordo com o estudo, nove entre dez judeus identificaram um agravamento em relação ao ambiente de antissemitismo vigente, principalmente no seu dia a dia, ao enfrentarem hostilidade no local de trabalho, nas redes sociais e nas ruas, ao se depararem com pichações em muros próximos às sinagogas. Para 85% deles, o antissemitismo é o maior problema social ou político em seu país de origem.

Os países onde esse sentimento de medo é maior são a França, Polônia, Bélgica e Alemanha.

Europa insegura

O diretor da FRA, Michael O’Flaherty, considerou perturbador os dados apresentados pela pesquisa. ”É impossível descrever o quanto dessas realidades cotidianas podem ser corrosivas, e a mensagem enviada é clara quando um terço dos judeus diz que pensa em emigrar porque não se sente seguro.”

Por sua vez, o vice-presidente da Comissão Europeia de Direitos Humanos, o holandês Frans Timmermans, disse estar profundamente preocupado com a situação. “É essencial lutarmos juntos contra o flagelo do antissemitismo. As comunidades judaicas devem se sentir seguras em sua casa. Se falharmos neste objetivo, a Europa deixará de ser Europa.”

Outro membro da Comissão, a advogada tcheca Vera Jourová, classificou de “chocantes” alguns números do relatório. Ela lamentou que 70 anos após o Holocausto, 9 entre 10 judeus europeus declarem que o antissemitismo aumentou e que não se sentem seguros em casa, ao navegar na internet ou caminhando para a sinagoga.

Comissária para Justiça da União Europeia (EU, na sigla em inglês), Jourová prometeu uma ação mais dura contra crimes de antissemitismo, especialmente os que ocorrem na internet, e pediu aos estados membros da EU que adotem a definição de antissemitismo emitida pela Aliança Internacional da Memória do Holocausto (The International Holocaust Remembrance Alliance – IHRA), organização criada em 1998, com sede em Berlim, que reúne 31 países membros e 11 países observadores (o Brasil não integra a instituição).

Jourová enfatizou que para combater algumas formas de retórica anti-Israel - especialmente as veiculadas online - tornando-as crimes, é preciso que os países se alinhem à definição de antissemitismo expedida pela IHRA. 

Retórica do ódio

Em 2016, a plenária da IRHA reunida em Bucareste definiu o antissemitismo como “uma certa percepção dos judeus que pode ser expressa como ódio em relação aos judeus". E também quando "a retórica e a manifestação física do antissemitismo são dirigidas a indivíduos judeus ou não judeus e/ou suas propriedades, instituições comunitárias judaicas e instalações religiosas”.

No documento, são listados 11 pontos que se referem a exemplos contemporâneos de antissemitismo nas sociedades, desde charges e discursos virulentos contra os judeus e o estado de Israel até a ocorrência de ações violentas em locais públicos. Entre os exemplos citados estão aqueles que dizem respeito às frequentes acusações aos judeus de serem mais leais a Israel do que aos interesses de suas próprias nações; o de inventar ou exagerar sobre o Holocausto; e, o de negar ao povo judeu o direito à autodeterminação afirmando que a existência do estado de Israel é um empreendimento racista.

Dos 31 estados membros, a Argentina é o único representante da América do Sul. Estados Unidos e Canadá também são países membros e Uruguai e El Salvador estão entre os 11 países observadores fora da Europa.

Ataques nas redes sociais

O estudo também indica que o antissemitismo se mostra mais intenso e presente na internet e nas plataformas sociais, segundo 89% dos judeus consultados. Perto de 80% disseram que apesar de terem sofrido algum tipo de assédio antissemita, nos últimos cinco anos, não apresentaram queixa à polícia e nem às outras organizações.

Em relação às ações de combate ao antissemitismo desenvolvidas pelos países membros da IHRA, 70% dos judeus responderam que os esforços até agora têm se mostrado ineficazes. Em 2018, incidentes antissemitas aumentaram 69% na França, país onde vive a maior população judaica da Europa (500 mil judeus). “São ocorrência diárias”, reconhece o primeiro-ministro Édouard Philippe.

Situação que se agravou com as manifestações dos chamados “coletes amarelos” que realizam protestos semanais em toda a França contra os impostos do governo Macron. O movimento, iniciado em novembro, ganhou conotações antissemitas com os manifestantes pedindo nas ruas e nas redes sociais a saída dos judeus do país.

Na Suécia, onde vivem apenas 20 mil judeus, uma campanha de ódio dos neonazistas locais, no final de 2017, forçou uma associação judaica a fechar as portas na cidade de Umea, a maior do norte do país, situada a 600 quilômetros de Estocolmo. O prédio foi coberto de suásticas e ameaças e, de acordo com a representante da comunidade Carinne Sjoberg, as pessoas ficaram com medo de frequentar o centro comunitário.

Na Inglaterra, em 2018, o debate sobre a adoção pelo país da definição sobre antissemitismo proposto pela IHRA durou meses, com o Partido Trabalhista liderado por Jeremy Corbyn relutando em acatar as proposições aprovadas em Bucareste, dois anos antes. A situação provocou um forte constrangimento na comunidade judaica do Reino Unido, composta de 300 mil membros, que reagiu em manifestações públicas. Em setembro, enfim, a adoção da definição foi aprovada pelo parlamento britânico.

Influência e poder

Pesquisa recente divulgada pela rede de notícias americana CNN confirma que o antissemitismo está vivo na Europa. Mais de sete mil pessoas foram entrevistadas em sete países (Áustria, França, Alemanha, Inglaterra, Hungria, Polônia e Suécia) e os resultados comprovam que os estereótipos negativos sobre os judeus persistem no continente.

Um em cada cinco europeus consultados diz que os judeus têm muita influência na mídia e na política e mais de um quarto também acreditam que essa influência se estende nos negócios e nas finanças. Na Hungria, esse pensamento é compartilhado por 42% dos entrevistados, sendo que 19% admitem ter uma impressão desfavorável em relação aos judeus.

Sobre o crescimento do antissemitismo na Europa, 44% concordam, sendo que um em cada cinco (18%) dos entrevistados afirmou que o aumento do antissemitismo é uma resposta ao “comportamento cotidiano do povo judeu”. Na Polônia, 50% das pessoas pesquisadas criticaram o suposto uso do Holocausto pelos judeus visando benefícios. E na França, mais de um quarto dos franceses entrevistados declararam ter uma impressão significativamente desfavorável dos judeus, principalmente em razão do conflito de Israel com os palestinos.

Para completar o quadro negativo sobre a temática judaica na Europa, mais de um terço dos europeus afirmaram que nunca ouviram falar ou sabem muito pouco sobre o Holocausto. Essa percentagem cresce quando a questão é apresentada aos mais jovens. Na França, 20% dos jovens disseram que desconhecem o assunto.